Beleza

Clareamento: tudo novo de novo

Shutterstock


Branquinho como promete propaganda de sabão em pó. Sem dúvidas, o queridinho da estética odontológica é o clareamento dentário. Com preços cada vez mais acessíveis e uma gama de opções com bons resultados, ele também é norteado por mitos que podem estar impedindo muita gente de aproveitar essa tecnologia. 

São duas técnicas mais comuns: a caseira, com uso de moldeiras, e a feita no consultório, utilizando o laser ou LED. A diferença está no tempo de tratamento. A opção feita em casa exige que o paciente passe entre duas e três horas, ou até durma, utilizando a moldeira, uma placa inteiriça onde coloca-se o gel clareador. Esse procedimento deve ser repetido por, no mínimo, 15 dias.

Já no clareamento feito em consultório, o gel clareador aplicado aos dentes é ativado pela luz de LED ou laser. A seção dura, aproximadamente uma hora, e são necessárias apenas três aplicações, em média. 

Antes do procedimento, especialistas recomendam cuidar para que não existam dentes cariados. E se o paciente tiver alguma restauração com resina, principalmente nos dentes da frente, ela precisa ser trocada após o procedimento porque os dentes vão clarear, mas as resinas ou coroas, não. 

Caseiro

15 dias para resultados finais
Utiliza-se a moldeira
Sem supervisão do dentista durante aplicação
Efeito duradouro
Preço mais acessível

Consultório

3 dias para resultados finais
Utiliza-se laser ou LED
Supervisionado e aplicado pelo dentista
Efeito duradouro
Preço menos acessível

Enfraquece o dente: mito

O clareamento é uma interferência local sem nenhum efeito colateral. A técnica permite a passagem de oxigênio pelos chamados canalículos dentinários, que ficam na dentina, responsável pela cor dos nossos dentes. Ao passar o oxigênio por esses espaços, a limpeza acontece e os dentes ficam mais brancos. “Portanto, clareamento não dá câncer e não enfraquece os dentes, já que não há modificações em sua estrutura, mas sim uma limpeza”, explica Cassiano Medeiros.  

Existem também outras técnicas para clarear manchas nos dentes, como raspagens e polimento. Bicarbonato e pastas abrasivas, que têm uso disseminado pela internet, por exemplo, não vão efetivamente clarear, apenas fazer uma limpeza. Se houver excesso de bicabornato, pode haver um desgaste do esmalte, com prejuízo ao paciente. 

Quando bate aquele ventinho na boca ...

Após o procedimento, alguns têm mais sensibilidade, outros menos. Após o clareamento, os canalículos estão abertos, o que provoca a sensibilidade em diferentes situações, como quando “entra aquele ventinho” na boca.  O fato de os tais canalículos estarem abertos é também o motivo da proibição do consumo de corantes pelo paciente na primeira semana. Os cuidados devem continuar nos meses e anos seguintes, com distância dos alimentos muito escuros para não comprometer o efeito, embora dificilmente o dente volte à cor de antes do clareamento. 

Agentes clareadores

O tipo de branco resultante do clareamento também pode variar não só pela concentração do gel ou da quantidade de seções, mas também pela cor original do dente. Para os dentes em tons amarelados, o resultado pode ser um branco mais leitoso, diferente de quem tem dentes acinzentados e deve ficar com o sorriso com um aspecto mais transparente. 

O intervalo para o retoque é de, normalmente, três anos. Mas existem muitos agentes clareadores no mercado que ajudam na manutenção do que foi conquistado pelo clareamento caseiro ou feito no consultório, apesar de não aumentarem o aspecto branco do dente.

Caro quanto?

A variação de valores é grande, mas o clareamento está bem mais acessível hoje em dia, principalmente se não for necessária a trocas de resinas ou tratamento prévio de cáries. Nos Estados Unidos, os produtos de clareamento são até comprados em farmácias. No Brasil, isso não é permitido, e o dentista deve fazer a supervisão do uso. A vantagem é um tratamento mais seguro. O clareamento caseiro custa entre R$ 400 e R$ 700. O método com luz de LED fica entre R$ 500 e R$ 1 mil. Já pelo clareamento feito a laser, desembolsa-se entre R$ 800 e R$ 2,5 mil por sessão. Quanto aos resultados, a diferença está no tempo de tratamento e na potencialidade do efeito que deseja o paciente.

Comentários
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.