Casa

Em versão sofisticada e com toque artesanal

João Augusto


Todo ano é a mesma coisa. Termina o Carnaval e eles surgem, sorrateiramente, nos supermercados e confeitarias. Quem? Os ovos de Páscoa. Antes reduzidos aos sabores dos principais chocolates e bombons das grandes marcas – além das antigas versões caseiras de gosto, vá lá, duvidoso –, hoje as iguarias recebem tratamento qualificado, inclusive com versões sofisticadas que se aproximam do universo dos vinhos. Permanecem, claro, alternativas mais tradicionais e, óbvio, aquelas destinadas às crianças, o maior público-consumidor do produto.

“Há uns dois anos existe a tendência do bean-to-bar”, explica Isabela Ferrante, sócia-proprietária da Luí Atelier Du Chocolat. Em bom português, do grão ou amêndoa à barra. “O chocolate é um blend, mas, de uns tempos para cá, há a tendência de se utilizar um cacau de origem e determinação específica”, explica a arquiteta especializada em design que, encantada pelo ramo de eventos, há quatro anos interessou-se pelo mundo dos doces e chocolates.

De babar

Neste caminho, Isabela cita um ovo produzido com delicado chocolate ao leite feito com 33,9% de cacau originário da Ilha de Java, na Indonésia. “A casca é uma massa folhada de chocolate e o recheio é trufado ao leite”. Salivou? Em seu menu de Páscoa há ainda a versão do bombom de leite Ninho com goiabada, um dos sucessos da confeitaria. Constam ainda o best-seller da Luí: cookies and cream feito com chocolate branco por fora e trufa por dentro; e as versões com 70% de cacau, sem açúcar e leite, para quem restringe os dois ingredientes. Febre nas Páscoas anteriores, hoje os ovos de colher são produzidos pela equipe de Isabela apenas sob encomenda.

O novo status quo dos ovos está refletido ainda nas embalagens. Isabela e os sócios contrataram a artista plástica Fabiana Queiroga para assinar as estampas da sacola e o papel de seda que recebe os doces, tudo em aquarelas exclusivas. O cuidado no layout é compartilhado pela doceira Patrícia Zaniboni Beinotti, no ramo há oito anos. “Todo ano desenvolvo apresentações especiais para meu principal público, que é formado por crianças. Em 2017 teremos um ovo com a toca do coelho”, revela.

Paulista de Campinas, a empreendedora autodidata aposta nas versões de ovos de chocolate com cookies amanteigados e bolachas com mel, mais adequadas ao paladar infantil. Uma novidade no cardápio de Páscoa deste ano serão os ovos com cenoura e coco. “Estamos acostumados com o bolo de cenoura e chocolate, mas a mistura com o coco, apesar de soar inusitada, fica incrível”, garante. Os ovos de colher permanecem no menu. “Desta vez, contudo, eles vêm fechados com uma casquinha de chocolate e transfer por cima”, explica Patrícia, que comercializa seus produtos via redes sociais.

Alternativa de dar água na boca 

Os ovos de colher até fazem sucesso no ateliê da confeiteira Milena Bettiol, mas a novidade para essa Páscoa é o torrone, uma barra de chocolate recheada. “Eu já fazia de uma maneira mais rústica, então decidi produzir uma alternativa para esse ano”, explica. As barras de meio quilo e um quilo impressionam pelo tamanho. A maior, segundo a confeiteira, pode ser dividida por até seis pessoas. O recheio que tem mais chamado a atenção é o de cheesecake de frutas vermelhas, mas Milena também produz opções com Nutella e brigadeiro com leite ninho. 

Cada barra recebe o nome de um familiar ou de um amigo. “Todos eles vêm com uma memória afetiva”, afirma a criadora, que começou a trabalhar com doces há cinco anos e faz sozinha todo o processo, da concepção dos produtos à escolha das embalagens. Milena garante que a produção dos torrones não é tão complicada. “Você faz a temperagem do chocolate, molda em uma forma específica e, depois que ele está cristalizado, faz a montagem do recheio dentro do molde. Agora é só finalizar e embalar”. O segredo está na seleção de bons ingredientes, a começar pelo chocolate belga, segundo a confeiteira. 

Faça o seu ovo de Páscoa!

Passo a passo

1. Derreta o chocolate e faça a temperagem (que é deixá-lo na temperatura adequada para o manuseio);
2. Coloque na forma;
3. Deixe esfriar, geralmente na geladeira
4. No caso dos recheados, coloque o conteúdo e deixe esfriar para receber nova camada de chocolate.
 
Fonte: Patrícia Zaniboni Beinotti

Comentários
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.