Comportamento

IBGE aponta crescimento de guarda compartilhada no Brasil

Shutterstock

De acordo com o Instituto Brasileiro de Geofrafia e Estatística (IBGE), a guarda compartilhada teve aumento no ano de 2015. Esse modelo determina que pais e mães participem conjuntamente de decisões rotineiras da vida dos filhos. Para se ter ideia, de 2014 para 2015, os casos cresceram de 7,5% para 12,9%. O grande problema, na verdade, é quando há manipulação emocional das crianças, configurando a chamada alienação parental. 

De acordo com o especialista em Direito Civil e membro da OAB - Seção São Paulo, Caio Simon, alguns comportamentos podem indicar que um dos ex-parceiros está sofrendo interferências do outro genitor. "Criação de histórias com intenção de denegrir a imagem do outro e omissão de fatos importantes sobre a vida dos filhos são alguns exemplos."

É importante acompanhar esses sinais. “O ex-parceiro deve observar qualquer sinal de interferência psicológica, pois algumas situações que parecem ingênuas inicialmente, podem ser determinantes para afastar a criança do ex-cônjuge, considerado o alienado”, comenta.  

Em casos de alienação parental, o alienador pode sofrer punições, como: multa e até perda da guarda previamente estabelecida. “A lei também é aplicada para outras pessoas que participem do cotidiano da criança, como avós, parentes, e outros responsáveis pela criação dela”, explica Simon.

Comentários
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.