Comportamento

Inverno: troque a escova de dente depois de uma gripe

Shutterstock


O resfriado e a famigerada gripe são doenças comuns ao longo de todo o ano, mas que costumam aparecer principalmente durante o inverno. E com a chegada da estação e as quedas de temperaturas, e é bom ter atenção em hábitos cotidianos que ajudam na manutenção da saúde.

Depois de contrair uma gripe, por exemplo, a única preocupação é reestabelecer o bom funcionamento do organismo. Passada a enfermidade, você sabia que é fundamental substituir a escova de dente? A pequena atitude fortalece não apenas a saúde bucal, mas mantém vírus e bactérias longe do corpo.

Isso acontece pois as cerdas da escova de dente são o habitat ideal para proliferação de fungos e bactérias. O local é úmido e, além disso, algumas pessoas ainda guardam o objeto lugares escuros e sem ventilação. Para o perigo de reinfecção, causado pela bactéria armazenada, é necessário o descarte da escova antiga.

O perigo da infecção começa quando as bactérias que fazem parte da flora bucal formam grandes colônias nessa ferramenta, como explica a dentista Heloísa Crisóstomo. "Essa proliferação pode trazer patologias para quem faz uso dessa escova ou pra quem acaba guardando próximo a escovas de outros membros da família, podendo causar infecção cruzada”, esclarece a profissional, que é Presidente da Associação Brasileira de Odontologia do Distrito Federal.

Conforme a especialista, mesmo não tendo contraído uma gripe, a escova deve ser trocada de três em três meses. “Trocar a escova no tempo certo, seja por desgaste do tempo de uso, seja por contaminação, ajuda a manter uma saúde oral e geral. Quando as cerdas não estiverem mais alinhadas, podem gerar doenças infecciosas”, explica.

Comentários
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.