Blog da Boca pra Fora

Mau hálito: curiosidades, prevenção e tratamento

Shutterstocl


Os odores que sentimos ao longo da vida ficam gravados na nossa memória olfativa. Isso nos excita ou deprime, aproxima ou afasta. Odor e olfato são tão pessoais que o que pode ser bem significante pra você, pode passar despercebido por mim. Mesmo assim, sei muitas pessoas concordam em várias coisas, como: preferir ambientes cheirosos, usar roupas cheirosas, dormir em cama macia e perfumada, sentir o cheirinho do perfume no "cangote" do amado, o cheirinho de chuva, de comidas palatáveis... E a ausência do mau hálito.

Muitos acreditam que o mau odor corporal ou bucal se deve única e exclusivamente a falta de higiene. É tão bom estar seguro em relação aos odores que a maioria das pessoas capricha na higienização. E por que, então, muita gente que toma um bom banho, usa desodorantes corporais, cuida bem da higiene bucal e usa roupas limpas pode apresentar odores desagradáveis?

É tão bom estar seguro em relação aos odoresVocê já escutou a expressão “bafo de onça”, não é mesmo? Se lembra de que “Bafo de Onça” é um personagem da Walt Disney, que contracena com Tio Patinhas, Mickey e outros? O filme com a primeira apresentação desse personagem data de 1925. Passados quase cem anos, ainda se ouve não apenas a referência ao nome do personagem, como vários outros sinônimos: inhaca, fedentina, boca de lobo...

Mas afinal, dá pra prevenir o mau hálito e outros odores corporais? Sim, desde que não sejam resultados provenientes de patologias que necessitam de tratamentos especializados. Na saúde não existe "receita de bolo

Prevenção:

- Vida equilibrada: controle do estresse, ansiedade, prática de atividades físicas, alimentação sem exageros, rica em alimentos de "verdade".
- Ingestão de pelo menos 2,7 litros de água ao dia.
- Evitar o uso de medicamentos, bebidas alcoólicas, cigarros e outras drogas.
- Higiene bucal: uso do fio dental, escova de dente, creme dental e outros produtos específicos indicados pelo seu cirurgião-dentista. O modo de uso e frequência também são fatores primordiais e individuais. 
- Higiene corporal: banhos com atenção especial as áreas que mais acumulam bactérias (axilas, pés e órgãos genitais). O médico dermatologista é quem deve indicar produtos específicos para evitar agressões à pele, garantindo a proteção da mesma.
- Não use produtos para mascarar odores. Busque tratamento.
- Para ter saúde bucal e proteger o sistema gastrointestinal, precisamos ter saliva em quantidade e qualidade ideais. A saliva é o termômetro da nossa saúde bucal e o melhor "detergente" que ajuda na prevenção da halitose.
- Cuidado com dietas "malucas" e jejuns prolongados.
- Check-up médico e odontológico se você pretende viver mais, ser mais saudável e não exalar mau odor.
- Fique atento: na saúde não existe "receita de bolo". 
Obs: pessoas portadoras de TMAU (Síndrome do odor de peixe - Trimetilaminúria) precisam de acompanhamento multidisciplinar.

Tratamento:

- O diagnóstico é que vai ditar os nossos planos de tratamentos.
- Os tratamentos quando bem aplicados terão resultados positivos. 
- O uso de algumas substâncias tópicas, medicamentos e equipamentos podem ser indicados de forma única ou mesmo a somatória de todos eles para resolvermos o problema do mau odor. O importante é que a terapia escolhida cause menos efeitos colaterais, seja acessível, reversível e efetiva.
- Algumas terapias com o uso do laser (baixa potência) e sensibilizantes (corantes), chamada de aPDT (Terapia Fotodinâmica antimicrobiana) podem ser indicadas. Essa terapia já é estudada a mais de cem anos e tem comprovação científica, podendo ser usada de forma complementar em vários tratamentos, incluindo tratamentos contra fungos (micoses), sendo esse um dos micro-organismos mais resistentes existentes.
- O laser, sob o meu ponto de vista, tem um grande mercado na saúde frente às várias possibilidades de utilização. A laserterapia (laser de baixa potência) e os tratamentos cirúrgicos (laser de alta potência) são sensacionais. Digo e repito que um bom diagnóstico repercute no bom prognóstico.

Mas lembre-se: a questão não deveria ser o tratamento, mas sim a prevenção!
   
*Karyne Magalhães é cirurgiã-dentista, habilitada em Laserterapia e qualificada no tratamento da Halitose, vice-presidente da Associação Brasileira de Halitose (Abha), membro da Associação Brasileira de Odontologia (ABO-GO) e membro da Sociedade Brasileira de toxina botulínica e implantes faciais (SBTI).Acesse saudesalivar.com.br e botoxgoiania.com.br.

Os comentários publicados aqui não representam a opinião da plataforma e são de total responsabilidade de seus auto

Comentários
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.
POR DATA