Casa & Flora

Decorar com cores

Divulgação


O uso das cores é a forma mais simples de transformar uma casa. Elas são uma ferramenta realmente muito importante, que podem mudar totalmente os espaços. Por meio das cores e da luz podemos perceber e experimentar o ambiente de muitas maneiras diferentes. As nuances transmitem o que sentimos, o que pensamos. Por isso, trata-se de uma escolha muito pessoal. 

Com elas podemos deixar uma casa mais alegre, mais relaxante, mais divertida. É por essa razão que digo que as cores conseguem transmitir muito sobre nossas emoções. O cinza traz urbanidade, por exemplo. É ideal para casas que se inspiram nas grandes metrópoles. O azul nos remete ao infinito. Por meio dele podemos trazer o céu e o mar para nossa casa. O verde, cor muito em voga em 2018, nos conecta com a natureza, trazendo bem-estar, saúde e esperança.

Assim, penso que as cores são elementos fundamentais para reinterpretar os espaços, sem a necessidade de revolucionar a casa. Mudar usando nuances, tons, não significa apenas mudar a cor das paredes. Podemos usar almofadas, cortinas, vasos, poltronas, tapetes coloridos... podemos dar uma nova cara aos espaços sem ter que interferir de uma maneira mais radical.

Nesse processo é necessário, em primeiro lugar, fazer uma análise dos espaços e quais são as nossas necessidades. É preciso ter em mente o efeito que pretendemos alcançar para criar um equilíbrio perfeito entre emoção, função e razão. Então é fundamental estar atento a algumas regras básicas para criar uma atmosfera coerente e de acordo com seu próprio conceito estético, evitando assim soluções indesejáveis. Em ambientes escuros, por exemplo, o melhor é usar cores claras, que realçam a luz. 

Devemos ainda estar atentos a influência das cores no humor. Também é importante saber equilibrar cores frias e quentes. Quando o desafio é uma combinação de cores, algumas das ferramentas mais eficazes são a escala cromática e a paleta de cores. Essas ferramentas nos permitem identificar infinitas combinações. Uma maneira muito útil de usá-las é fazendo anotações sobre nossas cores favoritas, nossas inspirações, imagens que gostamos e todas aquelas coisas que nos levam a dizer: “essa mistura de cores me agrada”.

O processo de escolha cromática de uma casa deve envolver vários elementos, como: móveis, acessórios e têxteis; o piso; as paredes; a exposição a luz solar; a psicologia das cores e o gosto pessoal. Enfim, ter a disposição uma combinação infinita de cores nos permite praticar a magia de fazer um espaço parecer maior, mais iluminado, mais quente, mais frio, mais estimulante, mais relaxante e assim por diante. Ao decoramos com cores, as teorias e técnicas são de grande auxílio, mas o mais importante é associá-las ao nosso instinto, ao nosso gosto e ao nosso estilo. Isso deve ser feito para obter um resultado que nos entusiasme e encante.

* Lenise Alves de Castro é goianiense/vilaboense, vive na Itália, é designer de interiores e trabalha em um estúdio de arquitetura em Milão. Ama design, história da arte, móveis, linhas curvas, artesanato, rios, azul, vinhos italianos e empadinhas de Goiás.

Os comentários publicados aqui não representam a opinião da plataforma e são de total responsabilidade de seus autores.

Divulgação
Ferm Living
Divulgação
Divulgação
Comentários
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.
POR DATA