Educar faz parte!

‘Feliz Dia das Mães, mamãe!’

Shutterstock


Está chegando mais uma data destinada às mamães. Uma data comercial, mas que nos faz parar para pensar e nos dedicar a essa pessoa especial. Por isso hoje eu quero falar com você, mamãe. Quero falar sobre expectativas e frustrações. Sinto nas mamães que atendo uma cobrança interna enorme. Elas carregam muitos sentimentos negativos e muito autojulgamento. E me preocupo muito com isso. 

Desta forma, desejo promover uma parada para uma reflexão: 

1 – Você tem feito o seu melhor como mãe? Então, aprenda a descansar a mente. 
2 – Você consegue aproveitar seus filhos nos momentos de lazer? Consegue se entregar sem ficar pensando nas próximas obrigações ou na organização da casa?
3 – Quando alguém faz apontamentos, você consegue filtrar sem se maltratar com possíveis julgamentos alheios? 
4 – Procura ajuda quando algo sai do controle ou quando seu emocional fica tão envolvido que a razão foge um pouquinho? 
5 – Consegue estabelecer parceria com as pessoas da escola, esporte, igreja, família, enfim... Com todos que têm contato com seus filhos? Consegue vê-los como aliados? 
6 – Já alcançou o amadurecimento de entender que, sendo exemplo, você precisa se cuidar, se respeitar e se amar para que seu filho aprenda a fazer o mesmo? 
7 – Consegue separar os seus desejos pessoais, as suas vontades dos desejos, habilidades e competências de seu filho? Dessa forma, não projeta os seus sonhos, mas o ensina a sonhar? 
8 – Independentemente da sua religião, você abençoa o seu filho com palavras que o fazem acreditar na proteção divina? 
9 – Qual relação você estabelece com a sua mãe? Sabia que seu filho observa isso? 

O Dia das Mães tem sido uma data de entregas materiais. Convido-os à entrega relacional. Que mamães e filhinhos aprendam a se doar. Que aproveitam para refletir o quanto é linda essa relação. Que filhos perdoem as mães e mães perdoem os seus filhos. O perdão é libertador e permite a união saudável. 

Ensinem seus filhos, desde pequenos, o valor de uma relação amorosa com a genitora e colherão os frutos de uma ligação harmoniosa duradoura. 

*Fabíola Sperandio Teixeira do Couto trabalha desde 1984 em instituições de ensino e desde 1999 em consultório. Pedagoga, psicopedagoga, especialista em Organização e Gestão de Centros Educacionais, especialista em Ensino Superior,  terapeuta de Família e Casais e mestre em Educação. Publica periodicamente no Blog Educar Faz Parte LUDOVICA - Organização Jaime Câmara e na Editora Geração Digital. Membro atuante no IBDFAM - Instituto Brasileiro de Direito de Família e associada na ATFAGO - Associação de Terapia Familiar de Goiás.
 
Os comentários publicados aqui não representam a opinião da plataforma e são de total responsabilidade de seus autores.  

Comentários
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.
POR DATA