Papo Musical

Academia Nacional de Música homenageia Belkiss S. Carneiro de Mendonça

YouTube/ Reprodução


A Academia Nacional De Música (ANM) foi fundada em 23 de fevereiro de 1967 pela maestrina Joanídia Sodré (1903-1975), então diretora da Escola de Música da Universidade do Brasil (atual UFRJ). Com 81 cadeiras, que têm como patronos pioneiros do ensino musical do Brasil na época de sua fundação, a ANM conta com membros titulares, eméritos, beneméritos e correspondentes. 

Ao comemorar 50 anos de existência nesse ano de 2017, a Academia homenageia nossa pianista maior: Belkiss S. Carneiro de Mendonça. Ela ocupou a cadeira de nº 40 de 1970 até a sua morte. Nascida na Cidade de Goiás em 15 de fevereiro de 1928, Belkiss faleceu no dia 17 de novembro de 2015, deixando uma lacuna na vida musical brasileira. Ela era neta de uma das pioneiras da música no estado, Maria Angélica do Couto Brandão, a Nhánhá do Couto (1880-1945).

Foi com a avó que iniciou os estudos de música e a quem sempre reverenciou como grande incentivadora. Em meados da década de 1940, Belkiss foi morar no Rio de Janeiro, onde garantiu uma das dez vagas, entre 120 concorrentes, graduando-se na Escola Superior de Música da Universidade do Brasil (hoje, Escola de Música da Universidade Federal do Rio de Janeiro). 

A volta de Belkiss em 1955, quando criou, juntamente com o maestro Jean Douliez (1903-1987), Maria Lucy Veiga Teixeira, Maria Luíza Póvoa da Cruz e Dalva Maria Bragança, o Conservatório Goiano de Música, embrião da Escola de Música e Artes Cênicas da Universidade Federal de Goiás, foi um marco na história da música goiana.

A série denominada “In Memória” convidou para homenagem à pianista as acadêmicas goianas Custodia Annunziata Spencieri de Oliveira e Elciene Spencieri de Oliveira, sobrinhas da homenageada, que proferiram algumas palavras sobre Belkiss. Também foram convidadas as pianistas Consuelo Quireze e Maria Lúcia Roriz, que apresentaram obras para piano a quatro mãos, e o compositor Ricardo Tacuchian, que dedicou à grande dama do piano brasileiro uma palestra com o título: “Meu encontro com Belkiss - Os pianos de um castelo encantado”. 

Ouviremos as pianistas Consuelo Quireze e Maria Lúcia Roriz, interpretando a Pequena Suíte para piano a quatro mãos, (dança canção, frevo), do compositor goiano Fernando Cupertino. Dedicada ao duo, Consuelo Quireze e Maria Lúcia Roriz, que no Rio de Janeiro, tocando a quatro mãos, participaram da homenagem a nossa inesquecível Belkiss s. Carneiro de Mendonça.  

*Gyovana Carneiro é professora da Escola de Música e Artes Cênicas da UFG, doutora em Ciências Musicais pela Universidade Nova de Lisboa – Portugal. Promove séries de Concertos em Goiânia.

Os comentários publicados aqui não representam a opinião da plataforma e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.
POR DATA