Papo Musical

Camargo Guarnieri e a cidade de Goiânia

Reprodução


O compositor, regente e pianista Mozart Camargo Guarnieri (1907-1993), embora nascido em Tietê, São Paulo, teve forte ligação com a cidade de Goiânia em razão de seus vínculos com a  Universidade Federal de Goiás. Como compositor, Camargo Guarnieri representa a concretização musical do nacionalismo modernista. Suas relações com as ideias modernistas e, particularmente, com Mário de Andrade têm características relevantes para música brasileira.

Mário de Andrade (1893-1945) e Lamberto Baldi (1895-1979) foram os responsáveis pela formação do então jovem compositor. Baldi trabalhava os aspectos técnicos musicais enquanto Mário de Andrade o orientava em estética e cultura geral. “Devo toda a minha formação humanitária a Mário de Andrade. Ele foi meu exemplo de caráter, honestidade e bondade”, disse Camargo Guarnieri.
 
O nacionalismo, traço marcante na obra de Guarnieri, não consiste em citar melodias folclóricas nem empregar elementos folclóricos não modificados. Ele escreve uma música brasileira de forma intelectual e criativa. “Não foi antes de Guarnieri que a produção musical erudita nacional atingiu plena maturidade. O compositor paulista soube como nenhum outro no Brasil dar universalidade à linguagem musical, sem perder de vista as fontes nacionais nem sua marca pessoal, peculiaríssima (...)”, escreveu o professor Wolney Unes.
  
Segundo uma das biógrafas de Guarnieri, a professora e pianista Consuelo Quirese Rosa, o primeiro contato do compositor com a Universidade Federal de Goiás se deu nos anos 1960: “O primeiro documento é  a portaria número 529, datada de 30 de junho de 1967, assinada pelo então Reitor da Universidade Federal de Goiás, Professor Jeronimo Geraldo de Queiroz. Essa portaria autoriza o maestro Camargo Guarnieri a ministrar aulas de Piano, Análise Formal das Invenções de Bach, Contraponto e Apreciação Musical no Conservatório de Musica da UFG”.  
 
A partir dessa data, Guarnieri passou a integrar o corpo docente do Conservatório Goiano de Música e a conviver intimamente com a cidade. Aqui fez amigos, compartilhou ideias, influenciou a vida musical da cidade, foi muito amado e homenageado. O maestro, por sua vez, retribuiu, dedicando obras a vários goianos, como as alunas, na época, Flávia Cruz e Mônica Rassi, as musicistas Glacy Antunes, Wanda Amorim, Consuelo Rosa, Custódia Annunziata, Maria Lúcia Roriz, Celina Szrvinsk, Mercia Mendonça, Ângela Barra, Maria Stela Cunha, Maria Lucy Teixeira, Wanda Goldfeld, Elciene Oliveira, Maria Luiza Póvoa, a vice-diretora da Escola de Música Raulice Bahia  e a saudosa e grande divulgadora da obra de Guarnieri, Belkiss  Spencieri Carneiro de Mendonça. 
 
Em 1987, Camargo Guarnieri recebeu da Universidade Federal de Goiás o título de doutor honoris causa. “Devo prestar uma homenagem ao povo goiano que acolheu-me como filho adotivo, permitiu que eu desfrutasse aqui do convício de sincero amor pela música brasileira”, disse Guarnieri.

Ouviremos os 20 estudos do compositor Camargo Guarnieri, interpretado pelo pianista estadunidense Frederick Moyer (1957). Os 20 estudos de Guarnieri para piano foram compostos entre os anos de 1949 e 1988. Dos 20, quatro são dedicados a pianistas goianas: o de número 13 à Wanda Fleury; o número 14 à Belkiss Carneiro de Mendonça; o número 15 à Consuelo Quirese e o número 18 à Glacy Antunes. 

*Gyovana Carneiro é professora da Escola de Música e Artes Cênicas da UFG, doutora em Ciências Musicais pela Universidade Nova de Lisboa – Portugal. Promove séries de Concertos em Goiânia.

Os comentários publicados aqui não representam a opinião da plataforma e são de total responsabilidade de seus autores

Comentários
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.
POR DATA