Papo Musical

'Disseram que Voltei Americanizada'

Reprodução Wikipédia

 
Nascida Maria do Carmo Miranda da Cunha, em Portugal, no ano de 1909, tornou-se Carmem Miranda, radicada no Brasil, e um dos maiores símbolos de brasilidade jamais criados. Alçou o estrelato em terras brasileiras e mudou-se para os Estados Unidos, onde faleceu após um ataque cardíaco aos 46 anos, dentro de casa.   

Ainda jovem, a "Pequena Notável", como era conhecida, foi apresentada ao compositor Josué de Barros que, encantado com tanto talento, passou a promovê-la em editoras e teatros, sendo em muito pouco tempo apontada como uma das principais cantoras do Brasil. Não demorou muito e veio a grande oportunidade de fazer carreira nos EUA.

A estreia de Carmem Miranda ocorreu no espetáculo musical "Streets of Paris", em Boston. O sucesso de crítica e público foi enorme. A fama não parou de crescer. A artista chegou a se apresentar, em 1940, ao presidente Franklin Roosevelt durante um banquete na Casa Branca.

Carmem atuou em 14 filmes em Hollywood e esteve presente nos mais importantes programas de rádio, TV e teatros americanos, chegando a receber o maior salário, até então, pago a uma mulher nos Estados Unidos. Ela era tão adorada pelas massas que virou boneca de papel e personagem de desenho da Disney.

A cantora se casou com o norte-americano David Sebastian, com quem viveu uma relação bastante difícil. Carmen começou a usar barbitúricos para dar conta da sua agenda lotada. Além disso, bebia e fumava bastante, o que potencializava o efeito dos remédios, resultando em sua prematura morte, no ano de 1955.

Quando Carmem Miranda voltou ao Brasil pela primeira vez, depois de tanto sucesso, foi acusada de ter perdido a sua brasilidade e de ser usada como “instrumento para a política de boa vizinhança dos americanos”. Foi então que os compositores Luís Peixoto e Vicente Paiva fizeram, especialmente para a “Pequena Notável”, o samba “Disseram que Voltei Americanizada"  sendo esta uma das últimas canções que Carmem gravou no Brasil.

A composição é mencionada no apêndice do livro 1001 Músicas para Ouvir Antes de Morrer, do crítico musical Robert Dimery, e foi gravada por grandes nomes da MPB como Maria Bethânia, Caetanos Veloso, Adriana Calcanhoto, Eduardo Dusek, Roberta de Sá, Elba Ramalho, Ná Ozzetti, Gaby Amarantos, Baby Consuelo, Ordinarius, entre outros artistas.

Vamos então ouvir, antes de morrer, “Disseram que Voltei Americanizada” com Ná Ozzetti, no programa Vozes do Brasil de Patrícia Palumbo, gravado no Estúdio Outra Margem em agosto de 2008. 

*Gyovana Carneiro é professora da Escola de Música e Artes Cênicas da UFG, doutora em Ciências Musicais pela Universidade Nova de Lisboa – Portugal. Promove séries de Concertos em Goiânia.

Os comentários publicados aqui não representam a opinião da plataforma e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.
POR DATA