Papo Musical

‘La Casa de Papel’ e a música ‘Bella Ciao’

Divulgação /Netflix


“La Casa de Papel”, lançada em 2018, é uma das séries de maior audiência dentre as produzidas pela Netflix. Ela conta a saga de um fictício roubo à casa da moeda espanhola. O roteiro é milimetricamente preparado, o elenco é excelente e trilha sonora é bem cuidada e impactante.  As músicas tocadas na série parecem realmente escolhidas a dedo, passando por compositores como Ludwig Van Beethoven e Franz Schubert, dentre outros. 

Mas é a canção “Bella Ciao” que se fixa no imaginário dos fãs. A história da música é um tanto imprecisa. Várias fontes afirmam que “Bella Ciao” nasceu na Itália e se tornou um símbolo da resistência italiana durante a Segunda Guerra Mundial. Ela teria embalado protestos de partidos de esquerda ao redor do mundo, incluindo manifestações pró-democracia em Hong Kong, em 2014. 

A canção também foi trilha da campanha eleitoral dos partidos de extrema esquerda da Grécia. Alguns historiadores, no entanto, afirmam que “Bella Ciao” teria sido inspirada em um cântico entoado por camponeses provenientes da região Emilia Romagna e incorporada como canção símbolo dos “partigianos” (nome dado aos membros da resistência italiana) no início do século 20.  Para outros especialistas, ela seria resultado de um conjunto de influências de músicas populares do norte da Itália.
 
Independente das origens imprecisas, a canção, que já era bastante conhecida, retoma o gosto popular em razão da regravação por vários artistas: italianos; russos; bósnios; croatas; sérvios; húngaros; ingleses; espanhóis; alemães; turcos; japoneses; chineses e curdos. No Brasil, em irreverência, “Bella Ciao” ganha uma versão funk.  O MC MM e o DJ RD criaram o hit ”Só Quer Vrau”.
 
Sabe-se que a música acabou se tornando um hino da resistência contra a política fascista de Benito Mussolini no final do governo e durante a ocupação nazista na década de 1940. Assim, a canção conversa bem com o espírito rebelde de "La Casa de Papel". Na trama, a música é entoada em diversos momentos pelos protagonistas, marcando as passagens mais “revolucionárias”. 

Em uma das cenas mais emblemáticas, os personagens Professor (Álvaro Morte) e Berlim (Pedro Alonso) cantam junto. A vida do Professor girava em torno de uma única ideia: Resistência. Seu avô, que havia lutado contra os fascistas na Itália o havia ensinado a canção e ele a ensinou para nós”, narra a personagem Tóquio (Ursula Corberó).
 
Ouviremos “Bella Ciao” interpretada, como na série, pelo cantor, compositor, poeta e ator espanhol Adolfo Celdrán (1943). Suas canções deram voz aos poetas da Espanha na ditadura, momento em que a poesia e as canções socialmente comprometidas supunham uma arma revolucionária na luta pelas liberdades.

*Gyovana Carneiro é professora da Escola de Música e Artes Cênicas da UFG, doutora em Ciências Musicais pela Universidade Nova de Lisboa – Portugal. Promove séries de Concertos em Goiânia.

Os comentários publicados aqui não representam a opinião da plataforma e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.
POR DATA