Papo Musical

Quatro cravos e cordas: Bach ou Vivaldi?

Reprodução / Wikipédia


O compositor alemão Johann Sebastian Bach (1685-1750) é tido como o maior nome da música barroca, sendo considerado por muitos o maior compositor de todos os tempos. Ele deixou um grande volume de obras que validam o grande gênio que foi.

O italiano Antônio Lucio Vivaldi (1678-1741), compositor e sacerdote, era chamado de “o padre ruivo”. Autor de mais de setecentas obras, é conhecido do grande público, principalmente, por seus quatro concertos para violino e orquestra denominados “As Quatro Estações”.

Por volta de 1730, o compositor alemão, com intenções pedagógicas, transcreveu uma série de dezessete concertos para tecla. Um desses concertos era para quatro cravos e orquestra de cordas. Bach, com sua conhecida ética e retidão, anotou na partitura, segundo Vivaldi: “Trabalho incessante, análise, reflexão, escrever muito, autopunição infinita, esse é o meu segredo”.

Em 1850, um musicólogo alemão descobriu que o concerto para quatro cravos era na realidade uma transcrição do concerto para quatro violinos em si menor Op. 3 n.10 RV 580 de Vivaldi. Nessa época, o compositor veneziano ainda era pouco conhecido, havendo rumores de que a obra do célebre Bach havia sido transcrita pelo padre Ruivo.

Em 1905, o musicólogo e violinista alemão Arnold Schering (1877-1941), responsável pela ressurreição moderna de Vivaldi, descobriu e analisou vários manuscritos do compositor italiano, provando a procedência da obra e a realidade dos fatos: a obra era uma transcrição de Bach do original de Vivaldi.

Quatro cravos?
Quatro solistas?
Dois compositores? 
Uma obra prima!

Ouviremos de Johann Sebastian Bach o concerto para quatro pianos (harpsichords) e orquestra de cordas em lá menor (transcrição do concerto de Antônio Vivaldi, concerto para quatro violinos em si menor Op. 3 n. 10 RV 580), com os solistas Martha Argerich, Evgeny Kissin, James Levine e Mikhail Pletney, gravado no prestigiando Festival Internacional de Música de Verbier, na Suíça, em 22 de Julho de 2002. 

*Gyovana Carneiro é professora da Escola de Música e Artes Cênicas da UFG, doutora em Ciências Musicais pela Universidade Nova de Lisboa – Portugal. Promove séries de Concertos em Goiânia.

Os comentários publicados aqui não representam a opinião da plataforma e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.
POR DATA