Vida Clara

Obras artísticas ganham vida em Paris

Atelier des Lumières / Divulgação


Em junho de 2018 tive a alegria de ser convidada por duas amigas americanas para visitar uma exposição de Gustav Klimt - um dos meus artistas favoritos. Não tinha ideia que essa seria uma visita artística completamente diferente. Entramos na exposição e, de repente, me vi mergulhada em meio a luzes, cores, imagens, pinturas e ao som de belas músicas orquestradas. Elas acompanhavam a dança das diversas pinturas, que bailavam pelo espaço, colorindo magicamente tudo e todos por onde passavam. Um verdadeiro espetáculo de luzes!

Foi emocionante ver aquelas obras ganharem vida e me sentir parte das pinturas. Tive a sensação de poder entrar dentro das telas de renomados artistas de Viena. Uma experiência sem igual que desperta todos os sentidos. Esta exposição acontece no Atelier des Lumières, no recém-inaugurado Centro de Artes Digitais, em Paris. Até o início de novembro deste ano o centro apresenta a exposição imersiva Gustav Klimt, que recomendo fortemente para as pessoas que estiverem aqui nesse período. 

Sinto que estamos vivendo o futuro e que, a partir de agora, a era digital se fará cada vez mais presente também na cena artística. Nesse tipo de exposição imersiva a arte ganha vida e o público ganha espaço dentro dela. 

Sobre o Atelier des Lumières

Inaugurado no dia 13 de abril de 2018, o Atelier des Lumières é o primeiro Centro de Artes Digitais em Paris. Localizado entre a Bastilhe e a Nation, em uma antiga fundição do 11º distrito de Paris, o Atelier des Lumières oferecerá exposições imersivas monumentais. Com 120 projetores de vídeo e um sistema de som espacial, esse equipamento multimídia exclusivo cobrirá 3.300m² de superfícies do chão ao teto, com paredes de até 10 metros de altura. Acompanhando as projeções, haverá sempre trilha sonora criada especialmente para cada evento. 

O primeiro grande artista homenageado pelo Atelier des Lumières é Gustav Klimt. Na verdade, a exposição é sobre a cena artística de Viena no fim do século 19, da qual Klimt foi o artista principal. Além de seus trabalhos, sendo o mais famoso dele “O beijo”, são também projetadas obras de Egon Schiele e Friedensreich Hundertwasser. Tudo acompanhado de trilha sonora com peças de Wagner, Beethoven, Chopin e Rachmaninov. Um deleite para todos os sentidos.

Um pouco sobre Gustav Klimt

Gustav Klimt é foi um dos grandes pintores decorativos dos suntuosos monumentos da Ringstrasse na Viena Imperial do final do século 19. Na aurora do novo século, ele se impôs com uma tendência que aspirava regenera a arte em profundidade. Comemorado tanto quanto contestado, Klimt abriu o caminho para a pintura moderna. O ouro e os motivos decorativos, característicos de suas obras, continuaram sendo um símbolo dessa revolução artística. 

* Clara Crosara é brasileira com descendência italiana, europeia em estilo de vida, cidadã do mundo e mora em Paris desde 2009. É designer de moda, com mestrado em marketing da moda e do luxo. Há dez anos trabalha no setor do luxo e, atualmente, está em diferentes projetos.

Os comentários publicados aqui não representam a opinião da plataforma e são de total responsabilidade de seus autores.

Atelier des Lumières / Divulgação
Atelier des Lumières / Divulgação
Atelier des Lumières / Divulgação
Atelier des Lumières / Divulgação
Atelier des Lumières / Divulgação
Atelier des Lumières / Divulgação
Comentários
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.
POR DATA