Viva Saúde

Corra o risco de ser você

Shutterstock


Por definição, vulnerabilidade é a característica de quem ou do que é vulnerável, ou seja, frágil, delicado e fraco. Assim, se um médico escrever no prontuário que “o paciente encontra-se em estado vulnerável de saúde”, os familiares irão entender que ele corre risco de vida. Quando o jornalista anuncia que “famílias tiveram as casas alagadas e estão em situação de vulnerabilidade”, os telespectadores compreendem que estão em uma situação específica de risco. Se náufragos conseguiram chegar até uma determinada ilha, mas encontram-se sem mantimentos, sem abrigo e sem qualquer objeto de defesa, estarão vulneráveis à fome, ao frio e ao ataque de um predador. Portanto, correm o risco de não sobreviverem.

A vulnerabilidade, nesses três exemplos, condiz com a definição citada na primeira linha do texto. Eles falam de um estado onde as pessoas estão expostas a situações não apenas de risco, mas também de fragilidade e fraqueza. Essas condições causam, no mínimo, desconforto. A fraqueza e fragilidade são responsáveis por fazer muitas pessoas desenvolverem mecanismos de defesa contra a vulnerabilidade. 

Você conhece alguém que tem verdadeira aversão à incerteza e que para evitá-la busca certificar-se de que as coisas serão exatamente como planejou? Ou alguém cujo medo de errar limita a própria existência e, em razão disso, evita situações em que possa falhar? Há também pessoas que, por dificuldade em lidar com a rejeição, mantêm uma distância particularmente segura de pessoas ou situações que podem gerar uma situação de vulnerabilidade. Existem, por fim, aqueles que se permitem avançar, porém procuram sempre ter um "plano b" para evitar a frustração de que pessoas ou situações não sejam como julgam que deveriam ser.

Assim, a aversão à vulnerabilidade decorre da associação entre ela e as emoções que derivam dela, como o medo (medo de ser rejeitado), vergonha (de não ser aprovado), tristeza (por ter decepcionado), frustração (por não ter tido prazer). Mas e se tentássemos compreender a vulnerabilidade por outro prisma? Quando uma pessoa está vulnerável, totalmente exposta, ela assume riscos emocionais e isso nada tem a ver com fraqueza, muito pelo contrário.

Não se permitir errar, tentando ter controle de todas as coisas ou mesmo evitando a exposição, é também se limitar, concorda? É não se permitir crescer e desenvolver a criatividade para solucionar problemas. Porque a verdade é que, quando uma pessoa está vulnerável (apesar de estar em situação de risco) e decide encarar a situação, e seguir adiante, ela assume riscos emocionais que somente pessoas fortes possuem condições de assumir. O que quero dizer é que, da mesma forma que emoções de cunho negativo podem derivar da vulnerabilidade, também é possível vivenciar emoções gratificantes e ter experiências enriquecedoras quando se permite avançar a partir de uma situação de vulnerabilidade.

Entendo que a vulnerabilidade é essa condição de incerteza, de risco e exposição (emocional), mas também entendo que quando a evitamos, estamos longe de estarmos protegidos e seguros. Essa ilusão de que estamos seguros (invulneráveis) nos desencoraja a viver uma experiência que teria nos fornecido proteção verdadeira. Afinal de contas, permitir-se estar vulnerável produz resiliência, que por definição é a capacidade de superação e recuperação de crises, e nos faz fortes para enfrentar as batalhas diárias da vida moderna.

Arrisco-me a criar um conceito novo para a vulnerabilidade. Com base em tudo que escrevi, a defino como: a característica de quem corajosamente assume o risco de ser ele próprio. Deixo aqui um questionamento para que você reflita: o que vale a pena arriscar, mesmo sabendo que você pode falhar? Estar vulnerável pode ser a melhor coisa que você fará por você em 2018. Pode ser um caminho de volta para casa, para o que realmente importa, que é ser você mesma. Por isso, corra riscos e, principalmente, o risco de ser você. 

*Ana Spenciere é psicóloga clinica formada pela PUC-GO. Pós-graduada em Terapia Cognitiva Comportamental e coach de Bem-Estar e Emagrecimento. Idealizadora do Método de psicoterapia para emagrecimento chamado Programa Emagreça + (www.programaemagrecamais.com.br).

Os comentários publicados aqui não representam a opinião da plataforma e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.
POR DATA