Beleza

Cirurgia das pálpebras

Shutterstock


É inegável que os nossos olhos são uma parte muito especial de nosso corpo. É natural que muitas pessoas se preocupem com a sua aparência. Algumas, por exemplo, têm excesso de pele ou flacidez nessa região. Outras têm excesso de gordura na parte inferior dos olhos. Há também a queda de pálpebra por causas musculares ou pelo excesso de pele. Para minimizar o problema, a blefaroplastia promete dar um aspecto mais jovial ao rosto de forma minimamente invasiva. Quem apresenta a opção é o oftalmologista e cirurgião plástico ocular Roberto Limongi.

O que é a cirurgia de pálpebras?

A blefaroplastia, termo científico para cirurgia das pálpebras, é a cirurgia plástica feita ao redor dos olhos. Nela, podemos corrigir o excesso de pele das pálpebras superiores e eliminar o excesso de gordura e líquido que se acumulam nas pálpebras.

Para quem ela é indicada?

A idade avançada e a tendência familiar causam frouxidão da pele palpebral, flacidez dos ligamentos e músculos da pálpebra inferior e do terço médio da face (maçã do rosto), resultando em flacidez das pálpebras e bochechas caídas. Esse quadro produz dobras de pele, bolsas de gordura e rugas, sinais característicos do envelhecimento facial. Mas o problema vai além da estética. O excesso de pele e essa frouxidão dos tecidos dos anexos oculares geram consequências aos olhos. Isso pode causar alterações no fundo dos olhos como diminuição do campo visual superior e lacrimejamento.

Quais são os benefícios?

É possível conseguir um olhar mais jovem, mais alegre e mais sedutor de forma natural. O que nos chama a atenção, em primeiro lugar, em uma pessoa é o olhar. Muitas vezes, os pacientes se queixam do aspecto cansado quando realmente não estão. Com essa técnica, damos vida ao olhar. Com os avanços, conseguimos melhores resultados, assim como ter uma recuperação muito mais rápida.

Como a cirurgia é feita?  

A cirurgia é realizada por meio da técnica SIM (Short Incision Midface-lift), criada por mim. O desafio era criar uma técnica minimamente invasiva, com cortes pequenos, porém com os mesmos resultados das técnicas tradicionais. Desenvolvemos uma técnica que consegue elevar a maçã do rosto durante a cirurgia estética da pálpebra inferior. Trata-se de uma técnica de elevação do terço médio da face a partir da técnica original de ‘Mc Cord’, porém, com cortes menores, embaixo dos cílios. Na SIM, uma pequena incisão é feita abaixo dos cílios, na pálpebra inferior, estendendo-se por meio de uma ruga no canto externo do olho. Pelo pequeno corte, os bolsões de gordura podem ser removidos ou transferidos para depressões na bochecha. Os músculos flácidos, abaixo dos olhos, são apertados e reposicionados para sua localização normal, suavizando os vincos e as dobras no terço médio da face, melhorando o bigode chinês. Além de ter sido publicada em renomada revista científica americana, o JAMA Facial Plastic Surgery, a técnica SIM vem sendo citada como referência em capítulos sobre blefaroplastia e elevação do terço médio da face nos principais livros atuais sobre o assunto, como “Estética Periocular” e “Farmacologia e Terapêutica Ocular”.

Quais os cuidados antes de fazer a cirurgia plástica das pálpebras?

Realizar um pré-operatório minucioso (hemograma, coagulograma, risco cirúrgico) e controlar a pressão arterial são as primeiras recomendações. Além disso, o exame oftalmológico antes da cirurgia é fundamental, porque alguns problemas já existentes, como olho seco, podem piorar após o procedimento. Muito me assusta quando escuto alguns pacientes - e até mesmo colegas – dizerem que se trata de uma cirurgia simples. Trata-se de um procedimento extremamente delicado, pois estamos lidando com as estruturas que protegem os olhos, as pálpebras. Um procedimento malsucedido nas pálpebras pode ter repercussões sérias para os olhos como exposição ocular, ulcerações e até perfuração ocular.

Como é o pós-operatório?

Os principais cuidados são a administração de compressas geladas e o uso de pomadas nas incisões durante as primeiras 24 horas. É importante salientar que essa cirurgia é de caráter ambulatorial, ou seja, não requer internação. Após a cirurgia, o paciente sai do hospital, andando e de olhos abertos, pois a anestesia é do tipo local, com uma sedação leve, tornando o procedimento totalmente indolor. No dia seguinte, a pessoa enxerga, normalmente, estando apta a ler um livro ou olhar o computador. Banhos podem ser tomados normalmente. Após uma semana, retiramos os pontos e o paciente pode voltar às suas atividades habituais.

Comentários
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.