Beleza

Como manter a beleza dos cachos

Shutterstock


Os cabelos cacheados são uma das heranças da miscigenação brasileira. E, atualmente, eles são também motivo de orgulho. Pois se antes elas se rendiam à ditadura do liso, agora a força e o poder dos encaracolados e crespos são valorizados. No entanto, manter a beleza dos cachos não é uma tarefa tão simples. 

Pensando nisso, Ludovica conversou sobre o assunto com beauty artist Ricardo dos Anjos, Embaixador da linha Match de O Boticário. Confira:
 
Quais são os tipos de cachos?

Ondulados, quando os fios formam ondas mais suaves e abertas. Cacheados, quando os fios formam voltas mais fechadas e completas, e crespos, que são cachos bem fechados e pequenos ou, até mesmo, com pouca definição.
 
Ainda sobre o universo das cacheadas, fale um pouco sobre o “Big Chop” e “transição capilar”.

O Big Chop ou BC nada mais é que o corte de cabelo que mulheres de cabelos cacheados e crespos recorrem para tirar toda a parte alisada dos fios e, enfim, assumir os cachos naturais. Significa “grande corte” em inglês. É a etapa da transição capilar em que a parte lisa do cabelo é cortada. A transição capilar é a fase em que o cabelo apresenta duas texturas, o liso e cacheado. Demanda paciência e cuidado. O Ideal é seguir texturizando os fios na parte lisa. Bons aliados neste momento são a gelatina e modeladores.
 
Quais as principais necessidades dos cachos?

Hidratação, umectação e modelagem. 
 
Podemos usar gelatina no cronograma capilar? E na transição capilar?

A gelatina é um item indicado para dar um up na modelagem e definição do cacho. Ela pode ser utilizada sozinha ou misturada com os modeladores. Os finalizadores podem ajudar na hora de criar a textura semelhante à parte cacheada dos fios em transição.
 
Alguma indicação de técnica especial para fitagem?

Misture a gelatina de definição com o creme modelador e aplique nos cabelos limpos e úmidos, uniformemente, mecha por mecha, do comprimento às pontas.
 
Na sua opinião, por que a mulher brasileira está assumindo mais os fios naturais?

Identificamos uma importante movimentação em nível global de aceitação da beleza natural e, no Brasil, isso passa necessariamente pela questão dos cabelos. Depois de muitos anos sob a tendência de lisos, seguindo um padrão europeu, chegou o momento de valorizar os cabelos naturais, com mais volume. Isso se observou nas passarelas de moda, na TV, nas mídias sociais e as marcas de cosméticos, especialmente as nacionais, que foram ágeis ao observar essa demanda e oferecer linhas específicas para o segmento.
 
Como identificar um cabelo severamente danificado?

São os fios elásticos, frágeis, quebradiços, com pontas duplas e alto nível de porosidade, que podem chegar até, em alguns casos, ao corte químico. Cabelos com química e que sofrem intervenções mecânicas, como a utilização de secador, chapinhas e modelador de cachos, principalmente, podem ser severamente danificados e são identificados alto nível de ressecamento, falta de brilho e movimento.
 
O que é corte químico?

Quem já passou por esse pesadelo, sabe o quão importante é tratar os fios para que eles não cheguem ao ponto de se partirem sozinhos. O corte químico se dá quando abusamos da química ou dos procedimentos mecânicos e exigimos demais do cabelo. O excesso de procedimentos químicos, como descoloração e alisamento com hidróxido de sódio, pode gerar quebra geral e agressiva e, quando isso acontece, chamamos de corte químico.
 
Qual é a diferença entre hidratação e reconstrução do fio?

A principal função da hidratação é a reposição de umidade e nutrientes nos fios, garantindo maciez, maleabilidade, alinhamento e suavidade para os cabelos. Efeitos como ressecamento, pontas duplas e falta de brilho são os que mais demandam hidratação. Já a reconstrução é a reposição da massa dos fios: matérias como proteínas e aminoácidos são o que garantem a densidade aos fios, dando força e saúde. E são os cabelos elásticos, com alto nível de porosidade e quebra, que mais necessitam de reconstrução.
 

Comentários
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.