Beleza

Flacidez facial: prevenção e tratamentos

Shutterstock


A flacidez facial é um dos principais sinais do envelhecimento da pele. Ela surge, principalmente, pela falta de produção de colágeno, a proteína que promove firmeza, e de ácido hialurônico, molécula responsável pelo preenchimento da pele. Alguns hábitos do dia a dia podem agravar esse desconforto, como alimentação desequilibrada, falta de hidratação e proteção com a pele.
 
Os sintomas da flacidez de pele são relativamente fáceis de serem notados e, a partir dos 25 anos, já é possível identificar a diferença de elasticidade da pele do rosto e corpo. Com o avanço da idade e diminuição dessas substâncias, os sinais ficam ainda mais claros.
 
Segundo a especialista Renata Moreira, fisioterapeuta dermatofuncional, aumentar o consumo de água, ter uma alimentação saudável e usar protetor solar diariamente são cuidados essenciais para o tratamento facial. A especialista também listou algumas dicas de tratamentos para prevenção, sem procedimentos cirúrgicos, que podem ser feitos em clínicas ou até em casa. 

Ingestão de colágeno e antioxidantes
 
Para minimizar a flacidez do rosto e do corpo, é importante consumir alimentos que contenham colágeno, tais como: carnes, ovos, leite, grãos e frutas cítricas. Os antioxidantes também são excelentes para a manutenção da pele e estão presentes em frutas, verduras e sementes, como chia e linhaça.
 
Massagem facial diária
 
A massagem facial auxilia no rejuvenescimento, melhorando a circulação sanguínea. O procedimento é simples: basta aplicar hidratante e fazer movimentos constantes. Para ter melhores resultados, use cremes rejuvenescedores que contenham vitaminas A e C e colágeno.
 
Tratamentos estéticos
 
Luz Intensa Pulsada (LIP), carboxiterapia associada à corrente high volt, massagem mecânica facial e outros métodos estão voltados para minimizar a flacidez da pele de acordo com cada necessidade. Renata Moreira sugere, ainda, o tratamento de radiofrequência, que promove uma pseudoinflamação no tecido, objetivando a ativação do fibroblasto para aumentar a produção de colágeno e elastina, além de estimular a termocontração do colágeno. "As sessões de tratamento devem ser realizadas a cada 15 dias, respeitando as fases de reparo e regeneração tecidual. É um tratamento não invasivo e indolor, que alcança ótimos resultados", comenta.

Comentários
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.