Beleza

Xô pelos

Shutterstock


A busca pela depilação aumenta na mesma proporção em que as temperaturas sobem. Com a chegada de dias mais quentes, a procura por esse serviço fica mais intensa, assim como o interesse pelos métodos que proporcionam efeito prolongado. Mas também é fato que as pessoas ainda têm muitas dúvidas na hora de decidir pela melhor opção quando falamos em depilação a laser ou luz pulsada.

"O primeiro passo para escolher qual depilação realizar é entender que tanto a luz pulsada quanto o laser são recursos da fototerapia de alta potência, ou seja, realizam um dano controlado no tecido-alvo sem lesionar as estruturas ao redor. Porém, esses recursos têm características físicas diferentes: a luz pulsada é policromática, incoerente e não colimada (enxergamos um flash de luz branca). Já o laser é monocromático, coerente e colimado (o feixe de luz é pontual)”, explica a fisioterapeuta dermatofuncional Aline Caniçais. 

Segundo a especialista, estamos em uma nova era de Luz Intensa Pulsada (LIP), cujos efeitos terapêuticos são muito próximos do laser. “A LIP tem a vantagem de, em um único equipamento, realizar diversos tratamentos, como rejuvenescimento da pele, remoção de manchas e redução de rugas e estrias apenas com a troca do filtro de corte", conta a fisioterapeuta, acrescentando que na luz pulsada é possível ajustar os parâmetros necessários para cada aplicação e também utilizar a crioproteção na ponteira, o que torna o procedimento menos agressivo à pele e, consequentemente, mais confortável.

Aline ressalta, ainda, que para o bom resultado do tratamento estético é necessário um equipamento de alta tecnologia, que apresenta sistema de resfriamento eletrônico (cryocooling), garantindo mais segurança e eficiência aos procedimentos. “É preciso saber que tanto a LIP quanto o laser requerem cuidados pré e pós-depilatórios, como evitar a exposição direta ao sol, não depilar regiões com tatuagem e não fazer depilação com cera durante o tratamento.”

As técnicas são contraindicadas para gestantes, portadores de doenças descompensadas, pessoas que estejam com bronzeamento artificial em curso, fizeram peeling químico recentemente ou usam cosméticos e medicamentos fotossensibilizantes.

Em busca da depilação perfeita
  

Durante o 8º Congresso de Depilação, realizado em São Paulo, na Beauty Fair 2018, a depiladora expert em biossegurança Daniela Pontes e a especialista em dermopigmentação e embelezamento dos anexos cutâneos Silmara Mendes Hoepers pontuaram cinco dicas para uma depilação sem manchas, irritações e aparecimento de problemas de pele. Se você é adepta da técnica, confira a seguir:
 
- Quando depilamos, estamos agredindo uma área, e essas agressões sucessivas podem ocasionar falhas. É preciso ter cuidados antes e depois dos procedimentos e evitar o uso de roupas apertadas ou que causem muito atrito.
 
- O ideal é fazer a depilação três dias antes de se expor ao sol. Isso evita o aparecimento de manchas. Caso o procedimento seja feito com cera, é recomendado evitar a exposição ao sol por 24 horas.
 
- Retirar os pelos sempre e por muito tempo, como na depilação das sobrancelhas, pode provocar falhas, criando regiões nas quais os fios não crescem mais. Pense nisso antes de realizar o procedimento.
 
- Usar protetor solar após a depilação é indispensável.
 
- A pele desidratada fica muito sensível, e qualquer procedimento feito pode ocasionar danos. Por isso, hidratar a pele diariamente é importante. Evite usar cremes e óleo apenas no dia da depilação.

Comentários
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.