Casa

Morar bem: que mal tem?

Nelson Pacheco
Horizonte Flamboyant


Além da localização nobre e de oferecer diferenciais como lazer, tecnologia e segurança, os residenciais de alto padrão da capital goianiense chegam a um novo patamar e começam a agregar serviços de hotelaria e governança, como o de concierge, muito comum em hotéis para atender às necessidades dos hóspedes.

O termo concierge tem origem na língua francesa e, para o português, a tradução literal é porteiro. Porém, as atribuições vão além do controle de acesso. A presença desse profissional em condomínios de luxo já é uma tendência em grandes centros como São Paulo e Rio de Janeiro.

“É uma grande comodidade para o morador que tem a vida agitada, pois ele não precisará, por exemplo, gastar tempo para retirar um tapete na lavanderia ou ir ao pet shop buscar o cãozinho. O concierge pode fazer isso”, exemplifica o diretor da Emoções Incorporadora, Jaime Sirena.
 
Pague para usar

Outro serviço da hotelaria que se tornou tendência em condomínios de alto padrão é o pay per use.  A expressão significa “pague pelo uso” e oferece mais comodidade ao morador, facilitando a contratação de pequenos serviços de limpeza e arrumação doméstica, recreação infantil, bufê, cuidados com animais, personal trainer, estética.

“Essa tendência de agregar serviços aos residenciais está diretamente relacionada ao desejo de morar bem, e que hoje em dia se traduz na oferta de comodidade nas tarefas do dia a dia, revertendo esse tempo, que seria gasto com atividades de rotina, para ser investido em qualidade de vida e das relações”, define Sirena.

Divulgação
Horizonte Flamboyant
Comentários
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.