Comportamento

Álcool e sono combinam?

Shutterstock


Final de ano é época de festejar. No entanto, há quem exagere na dose e acabe comprometendo a saúde, privando-se do sono e consumindo bebida alcoólica em excesso. Uma pesquisa recente, publicada no periódico JMIR Mental Health, aponta que a ingestão de álcool afeta áreas do sistema nervoso responsáveis pelo estado de alerta e descanso do organismo. Essa alteração causa desordem na frequência cardíaca durante o sono e faz com que o descanso não seja reparador.

Segundo a consultora do sono Renata Federighi, da Duoflex, é fato que álcool demais e sono de menos causam um desgaste abusivo do corpo e da mente. “Sabemos que as pessoas querem aproveitar ao máximo as festas de fim de ano, mas é importante que entendam que os exageros são perigosos e que o corpo precisa recuperar as energias para que, no dia seguinte, se mantenham dispostas e, sobretudo, com a saúde em dia”, alerta.

A especialista recomenda manter a moderação, intercalando a bebida com água, já que essa medida ajuda a diluir a concentração de álcool no sangue. “Além disso, é importante evitar o consumo do álcool uma hora e meia a duas horas antes de ir dormir. Ao contrário do que muitos pensam, a bebida alcoólica não relaxa. Após alguns goles, ela pode afrouxar as estruturas da região da faringe, comprometendo a respiração. O resultado disso é o ronco, que prejudica o sono”, orienta Renata.

Ainda conforme Renata, na hora de dormir é indispensável que alguns hábitos sejam preservados, dentre eles estão: manter um ambiente arejado, escuro e silencioso, seguir uma alimentação leve e saudável, se hidratar bem e a utilizar um travesseiro adequado ao biótipo da pessoa. “Para dormir com conforto, relaxar melhor e evitar microdespertares, o travesseiro deve preencher completamente o espaço existente entre a cabeça e o colchão, formando um ângulo de 90 graus no pescoço, mantendo coluna cervical e lombar sempre alinhadas. Durma, de preferência, de lado, com as pernas semiflexionadas e mantenha um travesseiro baixinho entre elas, a fim de evitar a rotação da coluna e os atritos entre os joelhos e os tornozelos”, finaliza a consultora.
 

Comentários
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.