Comportamento

Bochecho: mitos e verdades sobre o uso de enxaguantes bucais

Shutterstock

A manutenção da saúde bucal pode evitar doenças, dores e, consequentemente, tratamentos dentários incômodos. Para isso, é importante realizar cada processo com cuidado e atenção. O uso do enxaguante bucal, por exemplo, faz parte da rotina diária de higienização e, de acordo com a dentista Rosane Menezes Faria, o produto não deve ser esquecido.
 
“O enxaguante traz benefícios que vão além de deixar o hálito agradável. Quando utilizado corretamente, e como parte de uma rotina completa de cuidados, pode contribuir para evitar problemas como placa bacteriana, gengivite e cárie dentária”, orienta a dentista, que listou alguns mitos e verdades sobre o assunto. Veja:
 
Evitar produtos com álcool

 
Verdade. Os enxaguantes bucais à base de álcool são mais agressivos à mucosa bucal, causando ardência e ressecamento da boca. Uma das melhores alternativas são produtos que tenham CPC (cloreto de cetilpiridínio) na fórmula. Esse composto é um antisséptico eficaz na prevenção de placa bacteriana e gengivite. 
 
O enxaguante completa a higiene bucal
 
Verdade. É a terceira e última etapa da limpeza bucal, ou seja, deve ser usado após a escovação e o fio dental, quando a boca estiver totalmente limpa. As duas primeiras etapas são fundamentais para a saúde dental, portanto, jamais deverão ser substituídas ou deixadas de lado. O uso único e exclusivo do enxaguante como forma de higiene bucal não será eficaz como usar as três técnicas juntas.
 
Quanto mais quantidade melhor
 
Mito. O ideal é usar 20ml, duas vezes ao dia. Os bochechos devem durar cerca de 30 segundos e, em seguida, todo o líquido deve ser cuspido. As pessoas que estão em tratamento de doenças periodontais devem seguir a orientação do profissional, que pode recomendar a melhor frequência de uso do enxaguante.
 
Engolir o enxaguante pode ser prejudicial
 
Verdade. Os componentes são agressivos para o aparelho digestivo, por isso, quando ingeridos, podem resultar em enjoo ou diarreia. Caso os sintomas permaneçam, a pessoa deve procurar orientação médica o mais rápido possível.
 
Lavar a boca com água após o bochecho

Mito. A dica é não lavar a boca com água após o bochecho, pois a água pode diluir o produto e reduzir a função do enxaguante.
 

Comentários
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.