Comportamento

Cinco fatores estressantes que podem impedir a cura

Shutterstock

De acordo com Sergio Bastos Jr, fisioterapeuta da Biointegral Saúde, nossas crenças e nosso estado mental e emocional são fundamentais para os processos de cura e, por esse motivo, existem alguns fatores que podem comprometer os tratamentos por criarem bloqueios, muitas vezes, imperceptíveis. 

Veja quais são esses fatores estressantes apontados por ele e que podem interferir no resultado de tratamentos: 

Medo 

O medo pode ser o maior bloqueador que existe. Ele impede que nosso corpo permita a atuação dos tratamentos. Ter medo pode ser incrivelmente estressante e inundar o corpo de toxinas, reforçando a dor e a doença, ao invés de ajudar na cura. Medo de quê? Da doença? De não conseguir melhorar? De não atingir um ideal de vida que seja sem dor e sem doenças? Ter medo não afasta o que é ruim e não atrai o que é bom. Pelo contrário, nos deixa em constante estado de alerta e diminui as defesas do corpo. Trabalhe sua mente e sua emoção para afastar o medo. Acreditar que tudo de bom é possível pode operar maravilhas em sua vida. 

Ansiedade 

Juntamente com o medo, a ansiedade é uma grande vilã das chances de cura. Ficar ansioso não ajuda em nada, acredite. Só vai atrapalhar porque impede o relaxamento da mente, que ajuda na liberação de substâncias benéficas e na permissão que o corpo dá para que seus problemas possam ser resolvidos. Ficar calmo é sempre a melhor escolha. Medite, pratique exercícios, invista em uma rotina que afaste a ansiedade e veja sua qualidade de vida multiplicar. 

Ceticismo 

Independentemente do sistema de crenças e história de vida de cada indivíduo, ser totalmente cético com relação a qualquer tipo de tratamento é prejudicial. Nossa mente é poderosa e pode acionar memórias ou renegá-las instantaneamente. Estando totalmente céticos, bloqueamos esses processos naturais de captação de informação na mente e no corpo. Acreditar na cura é o primeiro passo. O segundo é escolher o tratamento que mais se adequa a você. São esses dois fatores que, juntos, te levarão o mais perto possível de uma vida plena e saudável.

Comparação 

Cada caso é um caso. O mesmo quadro clínico pode indicar diferentes problemas de um paciente para outro. Então, não se compare. Ficar analisando as possibilidades de tratamento e principalmente o andamento de seu processo em comparação ao de outras pessoas é perda de tempo e energia. Foque unicamente em seu caso, em sua força pessoal.

Baixa autoestima 

De certa maneira, esse fator resume todos os outros acima. Mas ter confiança em si mesmo e acreditar que coisas maravilhosas podem acontecer em nossa vida é fundamental para que as portas de processos de cura estejam abertas. A falta de amor próprio cria uma baixa energética difícil de ser recomposta. É preciso trabalho terapêutico, uma reorganização de crenças limitantes e uma análise do sistema familiar e social em que estamos inseridos para entender de onde vem essa falta de autocuidado. Só assim é possível ativar todos os mecanismos que serão auxiliares no tratamento escolhido.

Comentários
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.