Comportamento

Dia das Mães: quando o filho não vem

Shutterstock

De acordo com a Associação Brasileira de Endometriose, a patologia afeta cerca de seis milhões de brasileiras. Ainda segundo a entidade, entre 10% a 15% das mulheres em idade reprodutiva podem desenvolvê-la, e 30% têm chances de ficarem inférteis.
 
O que é

Endometriose é quando o endométrio, tecido que reveste o útero, encontra-se fora da cavidade uterina. Endométrio é a parte interna do útero que cresce ao longo do ciclo menstrual da mulher, objetivando a implantação do embrião e, consequentemente, a gestação. Quando não há gravidez, o útero descama e a mulher sangra (menstruação). Mas algumas vezes, esse revestimento se implanta nos ovários, peritônio, tubas uterinas, intestino, bexiga e até mesmo no próprio útero, dentro do músculo, gerando dor em decorrência do sangramento, diarreia ou perda de sangue na urina no período menstrual, além de aderências entre os órgãos abdominais.
 
Sintomas

As cólicas menstruais são o principal sintoma, atrapalhando as atividades rotineiras, além de dores na relação sexual. “A classificação mais utilizada para endometriose é a proposta pela Sociedade Americana de Medicina Reprodutiva, que considera quatro graus no diagnóstico. Porém, não há uma relação direta entre grau da endometriose e presença de dor, ou seja, uma paciente com endometriose grau IV pode ser assintomática, enquanto aquela com grau I pode relatar uma dor incapacitante”, esclarece Renato de Oliveira, ginecologista especialista em reprodução humana.
 
Infertilidade

Uma das principais preocupações das pacientes diagnosticadas com endometriose é a infertilidade. E sim, dentre as causas de infertilidade por fator feminino, 20% ocorrem pela endometriose. A grande questão é identificar qual paciente com endometriose conseguirá obter uma gravidez espontaneamente, já que nem todas as mulheres diagnosticadas serão inférteis.
 
“Além disso, quando se fala em infertilidade, não podemos esquecer do importante impacto da idade na capacidade reprodutiva, uma vez que após os 35 anos, de um modo geral, a fertilidade feminina tende a diminuir naturalmente. Assim, o diagnóstico de endometriose deve ser um alerta para não postergar muito o desejo da maternidade”, alerta o médico.
 
Técnicas para o sonho da maternidade

Se a mulher com endometriose deseja engravidar, é indispensável procurar um especialista e conhecer os tratamentos adequados. Os métodos de reprodução assistida, por exemplo, são alternativos para o sonho da maternidade. “No caso da inseminação intrauterina, a estimulação ovariana pode corrigir a disfunção ovulatória, facilitando a formação do embrião. Já a fertilização in vitro (FIV), técnica na qual o encontro dos gametas feminino e masculino ocorre fora do organismo, ou seja, no laboratório, existe a possibilidade da formação de um maior número de embriões, independentemente da existência da endometriose”, afirma o especialista em reprodução humana.

Comentários
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.