Comportamento

Doenças do fígado: além da cirrose e hepatite

Shutterstock

 

Quando o assunto são doenças do fígado, quais as enfermidades mais conhecidas? Certamente, você pensou na cirrose e na hepatite. Está correto, mas o que pouco se sabe é que esse órgão pode ser acometido por doenças autoimunes caracterizadas pela destruição progressiva dos canais biliares do fígado. E elas têm algo em comum: a dificuldade no diagnóstico justamente por falta de informação e conhecimento.

De acordo com hepatologista Paulo L. Bittencourt, essas doenças autoimunes são chamadas de colangite biliar primária (CBP) e colangite esclerosante primária (CEP). "A CBP tem sintomas que não são geralmente atribuídos a doenças hepáticas, tais como coceira e fadiga excessiva, olhos e boca secos e dores articulares, fazendo com que o diagnóstico seja facilmente confundido com outras doenças. Isso dificulta o tratamento precoce, que retarda a progressão da doença para cirrose e falência hepática com necessidade de transplante", explica.

Ainda segundo o médico, a dificuldade está no diagnóstico correto. A doença e os sintomas são tratados habitualmente de forma inadequada, permitindo que a CBP progrida com impacto negativo na sobrevida e na qualidade de vida do paciente. Além disso, esses sintomas podem persistir por meses ou anos sem que o paciente receba um diagnóstico definitivo.

Outras doenças do fígado

O fígado pode também ser acometido, entre outras causas, pelas hepatites virais, alcoólica, pelo uso de medicamentos, chás, e substâncias fitoterápicas e esteatohepatite do paciente obeso ou diabético. Essas doenças podem provocar cirrose é o estágio final de qualquer doença hepática. Um dos erros mais comuns em relação à cirrose é associá-la exclusivamente à ingestão excessiva de bebidas alcoólicas. "Esse fator está relacionado a 11% das indicações de transplante de fígado por cirrose no Brasil", explica o especialista. 

Segundo Paulo, as causas principais de falência hepática requerendo transplante são hepatites virais e as doenças metabólicas, autoimunes e colestáticas, incluindo a CBP. "É preciso lembrar que a maioria das doenças hepáticas são silenciosas ou não tem sintomas específicos e, por isso, muitas vezes o diagnóstico precoce é difícil ou negligenciado pelo paciente".

Comentários
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.