Comportamento

Emagrecimento inteligente

Shutterstock


Muitas pessoas pensam que “fechar a boca” é a melhor maneira de emagrecer, pois os resultados podem ser rápidos e certeiros. Porém, de acordo com o médico Arthur Rocha, membro da Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica (Abeso), distúrbios silenciosos ou dietas desequilibradas podem fazer com que a pessoa fique flácida e ganhe peso novamente de forma muito rápida, desencadeando o famoso “efeito sanfona”.
 
“Esse efeito pode prejudicar não somente a estética da pessoa como também contribuir para um maior risco de doenças”, alerta o médico. Então, como emagrecer de um jeito inteligente e manter o peso em longo prazo?
 
Para Arthur Rocha, o primeiro passo é fazer uma avaliação médica, pois através da consulta aprofundada e de exames específicos será possível analisar se o organismo possui distúrbios silenciosos que precisam ser corrigidos para um emagrecimento inteligente. O segundo passo é fazer uma avaliação nutricional e estabelecer uma dieta personalizada de acordo com o objetivo da pessoa.
 
“Muitos distúrbios prejudicam o emagrecimento inteligente, como problemas hormonais e intestinais, alterações do sono, ansiedade e inflamações crônicas silenciosas. Além disso, pessoas que fazem dietas por conta própria podem acabar perdendo massa muscular, além de gordura, ficando predispostas à flacidez e ao efeito sanfona”, explica.
 
Atenção
 
Uma dieta muito restritiva, com baixíssima ingestão de calorias por um longo período também pode prejudicar o emagrecimento inteligente. “É como se organismo entendesse que algo errado está acontecendo e começasse a poupar energia, entrando numa espécie de ‘modo econômico’. Quando a pessoa volta a comer normalmente, começa a ganhar peso rapidamente, pois o organismo continua economizando energia”, detalha.
 
O emagrecimento inteligente não deve um ter foco apenas estético, mas também de melhoria na qualidade da saúde. Segundo o médico, quando se emagrece, há um melhor controle nos níveis de glicemia e insulina, diminuição das inflamações silenciosas, melhora do funcionamento intestinal, aumento da autoestima e liberação de neurotransmissores cerebrais. Além disso, a pessoa fica mais animada e motivada, dorme melhor e, consequentemente, reduz alguns problemas relacionados à obesidade, como hipertensão, diabetes, câncer, infertilidade e doença do refluxo gastroesofágico. 
 
De olho nas dicas

- Faça uma avaliação médica. Assim será possível fazer uma análise profunda do organismo, principalmente relacionada a aspectos hormonais e funcionais
 
- Não adote uma dieta maluca. É preciso analisar a qualidade/quantidade dessa dieta junto ao médico e nutricionista
 
- Pratique atividades físicas. O exercício aeróbico somado à musculação é fundamental no processo de manutenção do peso
 
- Hidrate-se. Um corpo hidratado possui mais saciedade
 
- Evite perder massa muscular, pois isso pode te deixar flácida e com o indesejado “efeito sanfona”
 
- Em casos de ansiedade ou compulsão alimentar, procure ajuda médica
 

Comentários
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.