Comportamento

Mulheres são mais atingidas pela Urticária Crônica Espontânea

Shutterstock


Você já ouviu falar sobre Urticária Crônica Espontânea (UCE)? Trata-se de uma doença que não é causada por nenhum fator externo, como alimentos, produtos de limpeza ou cosméticos. Ela acomete com a mesma frequência muitas pessoas. No entanto, é uma doença mais comum em pessoas entre 20 e 40 anos de idade e, a cada três pacientes com UCE, duas são mulheres.

De acordo com o médico Luis Felipe Ensina, especialista em alergia e imunologia, os dados apontem que as mulheres são duas vezes mais propensas que os homens a manifestarem a UCE e, na maioria das vezes, a paciente relaciona erroneamente a UCE com crise nervosa.

“É importante esclarecer a população que urticária nervosa não existe. O que é bastante comum é exatamente o contrário. Como os sintomas da UCE aparecem de uma hora para outra e impedem o paciente de ter uma vida normal, a ansiedade e até outras doenças psicológicas mais graves podem aparecer em decorrência da doença”, afirma.

Com a dificuldade de chegar ao diagnóstico correto e, portanto, ao tratamento adequado, a maioria dessas mulheres adiam planos de vida, pessoal e profissional, e atribuem erroneamente a doença ao estresse do dia a dia. Em pesquisa da Ipsos, relatos como dificuldades com seus parceiros amorosos, ausências e desconfiança no trabalho, adiamento de compromissos, desenvolvimento de ansiedade e reclusão, são comuns vindo de pacientes mulheres acometidas pela UCE. 

Ainda conforme o especialista, o diagnóstico da UCE é mais simples do que se imagina. Se os sintomas mais comuns, como coceiras, vermelhidão e/ou inchaço, persistirem por mais de seis semanas seguidas e as lesões aparecerem em lugares diferentes constantemente, provavelmente o paciente sofre de Urticária Crônica Espontânea.

Comentários
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.