Comportamento

Novo ensino médio: o que muda

Shutterstock


Quem já passou pelo ensino médio sabe a quantidade de conteúdos muitas vezes "despejados" nos alunos. Teorias e mais teorias de Física, Química, Matemática, Biologia, Língua Portuguesa, Sociologia e por aí vai. E um dos principais pontos do novo ensino médio no modelo apresentado pelo Ministério da Educação (MEC), é a flexibilização do currículo, para diminuir a sobrecarga de conteúdos e direcioná-los para assuntos das áreas de interesse do estudante.

Para isso, a implantação do novo ensino médio depende da aprovação da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), responsável por definir o que será "suficiente" para a formação do aluno. Na mudança, já se sabe que pelo menos três disciplinas estarão presentes nos três anos de ensino médio: Língua Portuguesa, Matemática e Inglês, representando 60% da carga curricular. Os outros 40% serão definidos de acordo com a área de escolha do estudante para aprofundamento nas áreas eletivas ou cursos técnicos.  
 
Entre as opções do currículo definido por área de interesse estão:

I – Linguagens e suas tecnologias; 
II – Matemática e suas tecnologias; 
III – Ciências da natureza e suas tecnologias; 
IV – Ciências humanas e sociais aplicadas; 
V – Formação técnica e profissional.
 
Sem conteúdos rasos

O médico e professor de Biologia Antônio Luiz Guimarães Júnior, também sócio e diretor geral de uma escola na capital, conta que a justificativa para as mudanças é a grande quantidade de conteúdos que, de fato, não deixa tempo de aprofundar em cada um como se deveria.
 
“Hoje, cada disciplina tem muita informação. Não há tempo para compreender tudo. A ideia é diminuir o volume de informações que não tem tanto interesse para o aluno, e abrir espaço para o aprofundamento nas disciplinas que realmente interessam a cada um”, conta. 
 
A seleção

Segundo o professor, um dos questionamentos por parte da escola, em relação a essas mudanças é, portanto, a seleção desses conteúdos a serem trabalhados, embora acredite na padronização do currículo em território nacional. “Uma situação que pode ser comum nos preocupa bastante: se o estudante escolhe fazer área das Ciências da Natureza, por exemplo e, quando chegar no final do terceiro ano, decidir: ‘não quero mais, prefiro Humanas', ele vai voltar e fazer outras matérias? Como vai ficar?”, questiona o professor.
As dúvidas ainda estão em pauta nos órgãos responsáveis, na sociedade e nos lares brasileiros. Por isso, o Ministério da Educação acredita que a implantação da reforma do ensino médio não deve acontecer até 2018, já que depende de aprovação do Conselho Nacional de Educação. 
 
Saiba mais:

O Ministério da Educação (MEC) responde as principais dúvidas de estudantes, pais e professores sobre a nova proposta do ensino médio. Confira:
 
Quando começa o novo ensino médio?

O novo modelo depende ainda da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) que está em elaboração e, em seguida, será homologada. Após essa etapa, no primeiro ano letivo subsequente à data de publicação da BNCC, os sistemas de ensino deverão estabelecer um cronograma de implantação das principais alterações da lei e iniciar esse processo de implementação, a partir do segundo ano letivo. Essa implantação do novo ensino médio não deverá acontecer até 2018, pelo menos.
 
O que é a Base Nacional Comum Curricular (BNCC)?

É um conjunto de orientações que deverá nortear os currículos das escolas, redes públicas e privadas de ensino, de todo o Brasil. A Base trará os conhecimentos essenciais, as competências e as aprendizagens pretendidas para crianças e jovens em cada etapa da educação básica em todo o país, respeitando a autonomia assegurada pela Constituição aos estados e às escolas.
 
Como será a formação técnica e profissional?

A formação técnica e profissional será mais uma alternativa para o aluno. Hoje, se o jovem quiser cursar uma formação técnica de nível médio, ele precisa passar por 2400 horas do ensino médio regular e mais 1200 horas de ensino técnico. O novo ensino médio permitirá que o jovem opte por uma formação técnica profissional dentro da carga horária do próprio ensino médio, desde que ele continue cursando Português e Matemática. E, ao final dos três anos, ele terá um diploma do ensino médio e um certificado do ensino técnico.
 
Como fica Educação Física, Artes, Sociologia e Filosofia? E Língua Portuguesa e Matemática?

A proposta prevê que serão obrigatórios os estudos e práticas de filosofia, sociologia, educação física e artes no ensino médio. Língua portuguesa e matemática são disciplinas obrigatórias nos três anos de ensino médio independentemente da área de aprofundamento que o estudante escolher.
 
Com o projeto do novo ensino médio, o Enem será banido?

A medida provisória que trata da reforma do ensino médio não trata de alteração no Enem.

Comentários
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.