Comportamento

Opções para te deixar mais independente dos óculos

Shutterstock


Dormir e entortar a haste, embaçar as lentes ao tomar uma bebida quente, esquecer onde deixou aquilo que te faz enxergar melhor e até tomar banho sem tirar os óculos por pura distração. Essas e outras situações, até engraçadas, são bastante corriqueiras a quem faz uso de óculos para corrigir problemas de visão, como miopia (dificuldade para enxergar de longe), hipermetropia (dificuldade para enxergar de perto) e astigmatismo (distorção das imagens). Mas se você prefere passar algum período do dia sem a dependência dos óculos e, ainda assim, continuar enxergando, ou mesmo eliminá-los de vez de sua vida, saiba que é possível recorrer a algumas técnicas que a medicina oferece. Veja as orientações do oftalmologista Fausto Cazorla sobre o assunto:
 
Quais são as alternativas para quem não quer usar óculos?
 

A mais comum e simples são as lentes de contato. Elas têm um uso bastante difundido e atualmente são capazes de corrigir graus de miopia, astigmatismo, hipermetropia e até a presbiopia (vista cansada). As demais opções são cirúrgicas, e a escolha do procedimento ideal, nesse caso, depende fundamentalmente da idade do paciente.
 
Quais são essas opções cirúrgicas?

 
Antes dos 18 ou 19 anos, dificilmente os médicos indicam uma cirurgia para correção do grau, devido, principalmente, ao grau ainda não ter se “estabilizado”. Após esta idade e até por volta de 40 anos, a cirurgia mais realizada é feita com laser, chamada de refrativa. O laser é aplicado na córnea, estrutura mais anterior do olho, modificando a curvatura e corrigindo o grau que a pessoa possui. Acima dos 40 anos, a cirurgia refrativa passa a ser menos utilizada porque, normalmente, não corrige a presbiopia. A partir de então, e principalmente quando surge a catarata, a melhor opção passa a ser a extração do cristalino e o implante de lentes intraoculares que substituem essa estrutura e têm capacidade de corrigir o grau preexistente da pessoa, inclusive na visão de perto.
 
Como saber qual será a melhor opção para mim?

 
O primeiro passo é consultar o oftalmologista. Ele vai te explicar, detalhadamente, quais são as possibilidades para o seu caso e por quê. As cirurgias que citei são as mais comuns, porém, há várias outras opções, dependendo de cada situação, que precisa ser avaliada individualmente. O médico deverá fazer o exame oftalmológico completo e solicitar os exames complementares adequados para determinar a melhor escolha.
 
Todas as pessoas podem fazer a cirurgia ou usar lentes de contato?
 
Cada procedimento apresenta suas limitações, por exemplo, em relação ao grau máximo que pode ser corrigido, espessura de córnea, doenças oculares preexistentes, entre outras. Até mesmo as lentes de contato possuem contraindicações que devem ser sempre avaliadas pelo oftalmologista e discutidas com o paciente.
 
Quais os cuidados para quem usa lentes de contato?
 
Os cuidados diários com as lentes se simplificaram nos últimos anos, mas uma boa limpeza com produtos específicos antes de colocar e após retirar as lentes ainda é muito importante. Assim como guardar e conservar as lentes neste mesmo produto. Também é recomendado, para a maior parte dos tipos de lente, que a pessoa não durma com elas.
 
Mesmo fazendo a cirurgia, o paciente pode voltar a usar óculos?
 
Em todos os tipos de cirurgia de correção de grau existe a possibilidade de que o paciente volte a precisar de óculos após alguns anos, e é importante o candidato à cirurgia se conscientizar disso. Apesar de todo o avanço tecnológico que envolve esses procedimentos, a medicina ainda não chegou à perfeição no que diz respeito à correção da visão. Mas atualmente já temos excelentes opções para nos tornar mais independentes dos óculos, caso essa seja a sua vontade.
 

 

Comentários
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.