Comportamento

Otite: proteja o ouvido de seus filhos

Shutterstock


A estação mais quente do ano é ideal para os banhos de mar, piscinas e cachoeiras, que amenizam o calor e fazem a alegria da criançada nas férias escolares. Mas atenção, pois é preciso tomar alguns cuidados. A entrada de água nos ouvidos pode provocar otite, uma infecção no ouvido médio, que fica atrás do tímpano.

No verão, os casos de otite aumentam em até 70%, segundo os médicos. E as crianças são as mais afetadas, em razão da permanência prolongada dentro da água e o aumento da umidade no conduto auditivo externo dos ouvidos. De acordo com a fonoaudióloga Isabela Papera, da Telex Soluções Auditivas, as otites têm várias causas. Podem surgir por meio de vírus e bactérias, após gripes e resfriados ou podem ser causadas por germes e fungos presentes na água do mar e das piscinas, que provocam inflamação e obstrução do canal auditivo. 

"E o que é pior: se não tratada corretamente, a otite pode causar danos à audição. Por isso a prevenção é importante. É preciso proteger o ouvido contra a entrada de água na hora do mergulho ou mesmo durante a natação", diz. Conforme a especialista, os protetores auriculares cumprem essa função ao promover o vedamento completo do conduto auditivo. “Esses protetores são importantes para quem gosta de praia e piscina, além de fundamentais para quem pratica natação e outros esportes aquáticos", diz Isabela, que é especialista em audiologia. 

Ainda segundo a médica, alguns outros cuidados também são importantes. “Seque bem os ouvidos e os de seus filhos após nadar ou mergulhar, mas apenas com uma toalha ou lenço de papel enrolado na ponta do dedo indicador. Não se deve usar hastes flexíveis nas orelhas, pois elas podem retirar a cera protetora do ouvido e machucá-lo”, aconselha.

Se houver sintomas que podem estar relacionados a otite, como coceira, vermelhidão, inchaço, secreção, dores, sensação de abafamento ou diminuição da audição, é necessário procurar um otorrinolaringologista, que irá prescrever o tratamento mais adequado. Se depois de um tempo ainda houver dificuldades de audição, é preciso investigar com o médico se há outras doenças associadas. “No caso de constatação da perda de audição, o uso de aparelhos auditivos pode ser uma das soluções indicadas para resgatar a boa comunicação com amigos e parentes, melhorando a qualidade de vida”, conclui a fonoaudióloga.

Comentários
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.