Comportamento

Páscoa: chocolate é perigo em potencial para cães

Shutterstock


Quando pensamos na Páscoa, a primeira coisa que vem à cabeça é a quantidade de chocolate que será consumida, não é mesmo? E nesse período, muitos donos de pets querem compartilhar os deliciosos chocolates com seus cães. Entretanto, é preciso esquecer essa vontade de agradá-los, pois o que chocolate é um verdadeiro veneno para os bichinhos, já que o alimento contém substâncias tóxicas para eles.

A veterinária Thayane Rodrigues, da ComportPet, explica que o problema está no fato das substâncias teobromina e cafeína, presentes no chocolate, serem extremamente lipossolúveis nos cães. "Elas possuem facilidade em atravessar barreiras do organismo e serem absorvidas em boa parte do intestino e estômago, onde após absorvidas serão distribuídas para o corpo e provocarão diversas alterações, tornando essa ingestão altamente perigosa", explica.

Outro problema é o fato dos cães apresentarem lenta eliminação da teobromina. Logo, se tornam ainda mais sensíveis a elas. "Essa substância está diretamente relacionada à quantidade de cacau presente no chocolate. Quanto mais cacau, mais teobromina e, consequentemente, mais tóxico o produto é para o cão. Embora todos os tipos de chocolate ofereçam riscos, os mais escuros e amargos são ainda mais perigosos", alerta a especialista.

A intoxicação por chocolates não é um problema raro. Além disso, o produto nem precisa ser consumido em grande quantidade para que o problema aconteça. A dose de chocolate pode tornar-se tóxica quando chega em torno de 100 mg por peso do animal. "Por exemplo, se o seu pet pesa 12kg, cerca de 12g de chocolate já podem causar uma grave intoxicação a ele. Pode não parecer uma grande quantidade, mas isso é o suficiente para até mesmo levar o cãozinho à morte", diz.

Quando intoxicados, os cães podem apresentar quadros de vômito, diarreia, excitação, tremores, taquicardia, febre, aumento da ingestão de água e volume urinário, arritmias, respiração acelerada e até mesmo ataques convulsivos. "Os sintomas podem começar a aparecer de 6 até 12 horas após a ingestão do chocolate e podem persistir por até 6 dias. Por isso é necessário que os donos tenham muita atenção aos pets", explica a veterinária.

Alterações gastrointestinais e consequências em órgãos vitais

Mesmo se for consumido em doses menores a 100 mg, o animal também pode sofrer de distúrbios digestivos. Para os donos de pets, é bom que saibam que devem evitar dar alimentos aos quais os cães não estão habituados, pois uma mudança brusca de alimentação pode causar uma disbiose, que é o desequilíbrio da flora intestinal.

"Ao ingerir alimentos não habituais os sintomas variam entre diarreia, vômitos, gases, distensão abdominal e mal-estar. O tratamento depende da gravidade deles. Se o animal apresentar sintomas mais leves, pode ser resolvido com uma dieta adequada e probióticos, mas caso os sintomas sejam mais severos, outros tipos de cuidados podem ser necessários", explica a veterinária.

Devido ao alto teor de gordura do chocolate, o pet pode sofrer com uma inflamação no pâncreas se ingeri-lo. De acordo com a profissional, os alimentos que são ricos em gordura, como é o caso do chocolate, ativam as enzimas pancreáticas dentro do pâncreas, provocando lesões nesse órgão. "É essencial que os donos de pets fiquem atentos à cada sinal do cão. Os sintomas da inflamação podem variar entre vômitos, dor abdominal, anorexia, desidratação, febre e até a morte. Nesse caso, o tratamento é baseado no que for exibido pelo animal", diz Thayane.

Como evitar que o pet tenha acesso ao chocolate

Cães são animais naturalmente curiosos. Então, é comum, especialmente nos mais jovens e filhotes, que essa curiosidade faça com que eles fiquem atrás de tudo o que há pela casa, incluindo alimentos, o que acaba por fazer eles ingerirem objetos e alimentos estranhos ao seu paladar, como é o caso do chocolate. Para evitar a situação, o especialista em comportamento animal Cleber Santos explica que uma dica essencial é que, desde filhote, o pet seja ensinado sobre o que pode ou não fazer. "Eles devem aprender, desde filhotes, a comerem somente em suas tigelas. Assim, eles irão entender que as comidas em cima da mesa ou em outros locais, como é o caso do chocolate, não são para eles", ensina.

Outra dica é não deixar o produto em uma altura facilmente acessível a eles, para que eles não os roubem e os comam. "Os cães são extremamente espertos e muito engenhosos quando querem algo, principalmente comida. Por isso, mantenha o chocolate em locais de difícil acesso, como armários ou gavetas no alto, se possível dentro de potes fechados", explica. Outro motivo que leva os cães a procurarem e roubarem outros alimentos pela casa é a fome.

"É obrigação do dono manter a rotina de alimentação do pet em dia, seguindo os horários corretos", explica o especialista. Porém, Cleber alerta que a personalidade do cão também irá afetar nesses casos. "Se você tem um pet guloso, é normal que ele queira roubar comida o tempo todo, pois está sempre pensando em comer, mesmo não estando com fome". Estresse e tédio também são motivos que fazem com que os cães vão atrás de alimentos para ingerir. "Esses animais são muito apegados e, quando estão sozinhos, desenvolvem o estresse. Uma vez estressados e entediados por estarem sem companhia em casa, fazem de tudo para chamar atenção, como roubar comida", comenta.

Seu cão comeu chocolate. O que fazer?

Caso o seu cão tiver comido chocolate, a primeira coisa a ser feita é procurar orientação veterinária o mais rápido possível. E, caso você saiba, informe ao profissional a quantidade e o tipo de chocolate ingerido, para que ele defina os próximos passos e quais podem ser os sintomas que o cão irá apresentar. Infelizmente, não existe um remédio para a intoxicação causada por teobrominas, substância presente no chocolate. Diante disso, o tratamento deve ser o de suporte para os sintomas que o cão apresentar.

"Se o cão comeu uma grande quantidade de chocolate em um período recente, até 3 horas, talvez o veterinário irá induzi-lo ao vômito. Alguns podem apresentar sintomas leves, como diarreia e vômito, mas isso não significa que o caso seja menos importante. O tratamento instituído deve ser o soro na veia e medicamentos para tratar os sintomas do animal. Por isso, em muitos casos, o cãozinho tem que ficar internado até apresentar melhora", explica a veterinária.

Porém, Thayane alerta que o melhor é levar o cãozinho ao veterinário antes mesmo de os sintomas aparecerem. "Os sinais da intoxicação podem variar e todos os tipos de chocolate fazem mal ao cão, mesmo os que têm baixa concentração de teobromina, como é o caso do chocolate branco", fala.

Comentários
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.