Comportamento

Sexo: a fórmula da juventude

Shutterstock

Encontrar a "fonte da juventude" pode ser mais fácil do que se imagina. Pelo menos é o que indica um estudo recentemente publicado no jornal Psychoneuroendocrinology. As descobertas apontam que, em nível celular, fazer sexo pelo menos uma vez por semana melhora a saúde física da mulher.
 
O estudo afirma que o aumento da atividade sexual pode ajudar a diminuir o envelhecimento celular, já que resulta no maior comprimento dos telômeros no final das cadeias de DNA. Os alongamentos maiores estão associados a envelhecimento lento, maior expectativa de vida e melhoria da saúde geral.
 
O experimento, que foi realizado na Universidade da Califórnia, em São Francisco, envolveu mais de 100 mulheres em relacionamentos de longo prazo. Cada uma foi avaliada de acordo com a atividade sexual, o suporte ou conflito de parceiros e a satisfação geral com o relacionamento. Conforme o estudo, essa satisfação não tem relação com o comprimento dos telômeros, desde que a mulher tenha praticado sexo pelo menos uma vez por semana. Assim, aqueles que eram mais sexualmente ativos tinham telômeros mais longos.
 
Herdamos telômeros de nossos pais, mas não importa o comprimento dessas estruturas ao nascer, todas ficam mais curtas à medida que envelhecem. Quando os telômeros são muito curtos, as células não podem mais se reproduzir, o que faz com que os tecidos degenerem e acabem por morrer.
 
Vale ressaltar que a falta de sexo não é a única razão pela qual os telômeros diminuem. Isso também pode ser atribuído a práticas não saudáveis ou a uma experiência traumática. No entanto, quanto mais as pessoas se exercitam, menos suas células parecem envelhecer. Embora não haja garantia de que pessoas com telômeros mais longos terão vidas mais saudáveis, as chances podem estar a favor.
 
Maca peruana: alimento poderoso

O tubérculo promete aumentar a libido, o vigor físico e a massa muscular

Maca peruana é um nome estranho, mas esconde a "força" que somente esse tubérculo encontrado na Cordilheira dos Andes pode ter. A sua raiz tem diversos nutrientes que contribuem para a saúde corporal, como aminoácidos, carboidratos, ferro, fibras, cálcio, magnésio, ômegas 3 e 6, zinco, potássio, fósforo, selênio e vitaminas B1, B2, B3, B6, B12, C e E.
 
Mais libido e vigor

A maca peruana é reconhecida, principalmente, por ser a responsável pelo aumento da energia e do vigor, além de fortalecer a imunidade e o coração. Ah! Ela também auxilia no emagrecimento. Para quem leva uma vida mais ativa ou é atleta, o tubérculo melhora o metabolismo energético, contribuindo para o ganho de massa muscular. Além do aprimoramento físico, há evidências de que a maca também é anti-estresse.
 
Mais imunidade

A maca reduz a absorção de glicose, por causa da alta quantidade de fibras, controlando a diabetes. Atua na prevenção da anemia, devido à sua grande concentração de ferro, e reduz o risco de osteoporose, considerando que possui mais cálcio que o leite de vaca.
 
Menos ansiedade

Pesquisas apontam, ainda, a redução de depressão e ansiedade na pós-menopausa em mulheres que ingeriram diariamente 3,5 gramas de maca peruana, durante seis semanas. Tudo indica que o tubérculo possa mesmo ajudar a diminuir o estresse, a ansiedade e a depressão. A maca possui grande quantidade de compostos bioativos, que trazem o aumento da saúde das células e têm efeito adaptativo frente ao estresse mental.
 
Vá com calma

No entanto, assim como todos os alimentos, algumas pessoas podem ter alergia ao tubérculo. Por isso, é essencial que o consumo das cápsulas seja feito sob a orientação de um nutricionista, começando com doses menores. Mulheres gestantes, lactantes e crianças de até três anos não devem consumir o alimento sem a orientação do médico ou do nutricionista.

Comentários
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.